sexta-feira, 18 de dezembro de 2020


(Via Assessoria).

O governo de Pernambuco assegurou, no último dia (16), a preservação de mais de 80 mil hectares de áreas ricas em nascentes, olhos d’água, rios e riachos, todas na região da bacia hidrográfica do Rio Capibaribe. O governador Paulo Câmara, assinou decretos que criam mais três novas Unidades de Conservação estaduais (UCs): as de Cabeceiras do Rio Capibaribe e Mata do Bitury, categorizadas como Refúgios de Vida Silvestre, de proteção integral; e a de Serras e Brejos do Capibaribe, classificada como Área de Proteção Ambiental – APA, de uso sustentável, a qual Taquaritinga do Norte passou a integrar. Para chegar a essa definição e escolha foram realizadas várias oficinas diagnósticas e audiência pública entre o Governo Municipal e a CPRH para ouvir a população. 

“A gente tem um planejamento, um diagnóstico, e busca as oportunidades de avançar cada vez mais no desenvolvimento sustentável, que também chegue mais perto do social. Isso é uma marca de Pernambuco, que não vamos deixar de maneira nenhuma retroceder. Vamos dotar cada vez mais o Estado de condições para a preservação das nossas bacias, rios e meio ambiente. Isso é fundamental para o desenvolvimento e para a garantia de um Estado que a gente quer para as futuras gerações”, afirmou Paulo Câmara.

(Via Assessoria).

As novas reservas são compostas por brejos de altitude, matas secas, serras e planícies, um conjunto considerado essencial para proteção do solo, reabastecimento dos lençóis freáticos, afluentes e do próprio rio, além da preservação da biodiversidade local. “Ficamos muito felizes com essa classificação para nossa cidade. Sempre defendemos e buscamos incentivos para investir na preservação do meio ambiente. Taquaritinga é uma terra rica, fértil  e merece todo o nosso zelo e cuidado”, completou o Prefeito Lero. 

A Área de Proteção Ambiental – APA, que a “Terra do Café” passou a integrar compreende uma área de 73,7 mil hectares junto com partes dos municípios de Breja da Madre de Deus, Belo Jardim e Vertentes. O objetivo é ordenar a ocupação do solo e promover o uso sustentável dos recursos naturais.

>>FONTE: Via Assessoria de Comunicação e Imprensa / Henrique Figueirôa.