domingo, 25 de outubro de 2020


DADOS – Globalmente, estima-se que uma a cada cinquenta e oito crianças esteja no Transtorno do Espectro Autista.

(Via Assessoria).

Organizar uma rotina alimentar saudável para as crianças nem sempre é uma missão fácil, ainda mais quando os pequenos possuem o Transtorno do Espectro Autista (TEA). A designação é utilizada para abrigar todos os problemas relacionados ao autismo.

De acordo com a nutricionista Paula Brielle, crianças com esse tipo de transtorno apresentam comportamentos restritivos e seletivos em relação ao tipo de alimento. “É importante que os responsáveis montem um cardápio que desperte o interesse e supra as carências nutricionais. Além disso, devem observar a textura, o sabor e até mesmo a aparência da comida antes de servir”, alertou.

Brielle explicou que algumas crianças sentem fome de comidas específicas, outras se alimentam de maneira compulsiva e algumas nem querem comer. Disse, ainda, que é comuns casos de intolerância ao glúten e lactose, além de alergia às proteínas do leite e da soja, e que a questão do peso é relativa por criança.

“Vale lembrar que o intestino tem relação direta com cérebro. Alguns neurotransmissores como a dopamina e serotonina – responsáveis pela saúde mental – são produzidos mais no intestino. E aí, doenças psiquiátricas terão uma melhora quando começamos a tratar o intestino da criança, através de uma alimentação saudável, evitando-se o que for alergênico, patogênico e de proteínas pesadas, que podem causar inflamações”, afirmou.

A profissional ressaltou que o acompanhamento nutricional ajuda bastante nos resultados. “O paciente consegue render mais na terapia, a falar e ter uma evolução no quadro de saúde. Conheço crianças que tiveram melhorias de concentração, independência e sono. A evolução varia de caso para caso, por isso a importância do atendimento individual”.

>>FONTE: Via Assessoria de Comunicação e Imprensa / Pedro Neto.